Como ter inteligência emocional no ambiente de trabalho? Confira 8 superdicas!
Avalie este artigo
29 de janeiro de 2020 | 8 min de leitura
Bem-estar

Como ter inteligência emocional no ambiente de trabalho? Confira 8 superdicas!

O termo inteligência emocional já faz parte do dia a dia de muitas pessoas, mas nem todo mundo sabe como ter inteligência emocional no ambiente de trabalho. Isso porque a disseminação desse conceito não aconteceu há tanto tempo.

Tudo começou em 1966, quando o termo foi utilizado pela primeira vez em documentos do americano Hanskare Leuner.  Os estudos foram aprofundados em 1990, quando os pesquisadores e psicólogos Peter Salovey e John D. Mayer publicaram o artigo “Emotional Intelligence”, na revista Imagination, Cognition and Personality.

Foi Daniel Goleman, no entanto, o responsável pela popularização do conceito ao publicar o seu livro “Inteligência Emocional”, em 1995. O escritor, psicólogo e PhD da Universidade de Harvard abordou o embate entre o QE e o QI nessa primeira obra.

Dessa forma, a inteligência emocional ganhou mais espaço no dia a dia de estudiosos, tornando-se um tema mais acessível para as pessoas da sociedade.

Como ter inteligência emocional no ambiente de trabalho

Para entender como ter inteligência emocional no ambiente de trabalho, antes é preciso ter total clareza sobre o que se trata esse conceito.

O pai da inteligência emocional, como é conhecido Daniel Goleman, explica o termo como a capacidade que um indivíduo tem de gerenciar as suas emoções – significa ser capaz de reconhecer e controlar o que se sente de tal forma que as suas emoções não interfiram negativamente no seu dia a dia.

Além disso, também está relacionado a ser capaz de se colocar no lugar do outro e criar relacionamentos saudáveis com as pessoas que te cercam.

Quais são os 5 pilares da inteligência emocional?

O modelo de inteligência emocional de Goleman é baseado em 5 pilares: reconhecer as suas emoções, controlar as suas emoções, automotivação, empatia e habilidades interpessoais. 

Vamos conhecer cada um mais a fundo?

1. Reconhecer as suas emoções

Ter consciência sobre o que você sente quando as emoções afloram. Portanto, quando estiver em uma discussão, por exemplo, ter clareza sobre os seus sentimentos irá te ajudar no próximo pilar.

2. Controlar as suas emoções

Não adianta nada reconhecer o que você sente e não ser capaz de controlar. Em momentos nos quais você sente muita raiva ou medo, por exemplo, é preciso ser capaz de controlar as emoções e esfriar a cabeça antes de tomar decisões ou falar algo para as pessoas que estão ao seu lado. Trata-se de ser capaz de colocar as emoções no lugar certo e equilibrar o que sente.

3. Automotivação

Ao longo da vida somos surpreendidos por inúmeras situações, altos e baixos, que nos fazem perder a vontade de continuar lutando e indo atrás do que queremos. Nessas horas, é importante ser capaz de se manter motivado, caso contrário, você irá desistir diante da primeira dificuldade.

4. Empatia

Saiba se colocar no lugar do outro e compreender o que ele está sentindo. Ter empatia é muito importante para entender suas decisões e irá te tornar uma pessoa mais aberta e sensível.

5. Habilidades interpessoais

Por fim, o último pilar também é relevante para ter uma vida mais equilibrada, pois a partir do momento em que você consegue criar relacionamentos saudáveis com as pessoas ao seu redor, sua vida se torna mais leve e cria-se um ambiente positivo.

Por que é importante ter inteligência emocional no trabalho?

Ainda não entende como a inteligência emocional pode ser benéfica para a sua vida profissional?

Bom, segundo o livro “Inteligência Emocional 2.0”, 58% da sua performance no trabalho depende de inteligência emocional. Além disso, 7 em cada 10 vezes profissionais com alto QI são superados por aqueles que têm alta inteligência emocional.

Um outro estudo conduzido pela Johnson & Johnson revelou que os profissionais com melhor performance também tinham os níveis mais altos de inteligência emocional. Já uma pesquisa da Talent Smart afirmou que 90% dos trabalhadores com alta performance no ambiente profissional possuem a inteligência emocional bem desenvolvida, enquanto 80% dos que performam menos têm o QE mais baixo também.

Já deu para perceber que é uma habilidade indispensável para o seu crescimento, não é mesmo?

O cenário do mercado de trabalho anda cada vez mais dinâmico e acelerado. As empresas buscam por profissionais que consigam encarar as adversidades, que tenham boas habilidades interpessoais e que sejam capazes de lidar com conflitos e emoções negativas.

Pode até parecer simples em um primeiro momento, mas desenvolver a inteligência emocional é bastante desafiador. O importante, no entanto, é que é possível aumentar os seus níveis de inteligência emocional – mesmo que hoje você não consiga controlar nem um pouco suas emoções e tenha baixos níveis de empatia, por exemplo, nada impede que você trabalhe isso e se desenvolva.

Ao elevar a sua inteligência emocional, consequentemente você se torna um profissional mais preparado para lidar com tudo aquilo que o mundo profissional exige de você: reuniões desafiadoras; conflitos com membros da equipe; necessidade de receber e fornecer feedbacks; capacidade de se manter motivado diante de situações difíceis e frustrantes, entre muitas outras situações.

Como ter inteligência emocional no ambiente de trabalho

A pergunta que não quer calar é, afinal, como ter inteligência emocional no ambiente de trabalho?

Vamos conferir algumas dicas essenciais que você deve começar a colocar em prática o quanto antes se quiser elevar os seus níveis de inteligência emocional.

1. Gerencie as suas emoções negativas

É muito fácil se deixar levar por emoções negativas, não é mesmo? A partir do momento em que aprender a lidar com essas emoções no ambiente profissional, com certeza o seu dia a dia de trabalho será mais leve e menos sobrecarregado.

Quando alguém ou determinada situação estiver te incomodando, evite tirar conclusões precipitadas e já focar no lado ruim. Tente observar o que está acontecendo de maneira objetiva e sob diferentes perspectivas. Não fique remoendo, busque soluções!

Uma dica valiosa é praticar mindfulness no trabalho, que nada mais é do que a atenção plena. Isso pode te ajudar bastante a focar no que importa e estar presente.

2. Comunique-se de forma clara e persuasiva

Pessoas emocionalmente inteligentes focam em se tornarem boas comunicadoras no ambiente de trabalho. Elas se afastam de uma comunicação agressiva ou passiva e são capazes de colocar as suas opiniões na mesa sem faltar com o respeito.

Em um exemplo prático no qual a reunião com o seu chefe é muito ruim, pare e pense no que provocou isso e como você pode trabalhar para que os mesmos problemas não se repitam. Ao ser capaz de identificar o que não está ocorrendo tão bem, você tem maior probabilidade de abordar o conflito de uma maneira mais inteligente.

Ser um bom comunicador nesses momentos é essencial para não deixar as emoções dominarem e conduzirem de maneira errada as conversas profissionais que necessitam de calma e paciência.

3. Pratique a empatia

A empatia é essencial no ambiente de trabalho, pois ser capaz de se colocar no lugar dos outros é importante para entender como eles se sentem em variadas situações.

A dica é ficar atento às pistas verbais e não-verbais que podem conter informações valiosas sobre o que as pessoas ao seu redor estão sentindo. Antes de julgar ou criticar, procure entender a posição em que aquele indivíduo está e por que ele age de determinada forma.

Lembre-se sempre de que cada pessoa enfrenta situações que você nem imagina, cada um tem os seus problemas e, portanto, ter uma postura empática é essencial para a construção de laços genuínos e de confiança.

4. Conheça seus fatores de estresse

O que te estressa no trabalho? Reuniões longas demais? A caixa de email lotada todos os dias?

A partir do momento em que você tem consciência sobre o que te deixa estressado, fica mais fácil entender como superar essas adversidades.

Se você detesta responder um milhão de emails todos os dias e isso te deixa maluco, então que tal encontrar um horário adequado para essa tarefa? Talvez logo no início do dia para se livrar do que você menos gosta de fazer ou no final do expediente, quando as suas energias já estão esgotadas e você quer apenas executar tarefas operacionais.

Procure mudar também a forma que você encara os objetos de estresse: não deixe que eles te dominem completamente. Esteja consciente de quais são e prepare-se para lidar com as dificuldades.

5. Saiba se recuperar das adversidades

Os desafios estão no dia a dia de todo mundo. Como você lida com as adversidades que cruzam o seu caminho que irá determinar se você está indo em direção ao sucesso ou à crise.

A automotivação é essencial no ambiente de trabalho, pois caso contrário você irá desistir diante da primeira frustração. Uma dica é praticar o otimismo, evitando pensamentos pessimistas e reclamações constantes. Também deixe de lado o vitimismo, ou seja, aquela mania de se colocar em posição de vítima o tempo todo. Ao contrário: vá a luta!

Por fim, busque sempre se questionar sobre os aprendizados de um desafio e uma situação ruim, afinal, são momentos difíceis que mais nos fazem crescer.

6. Evite reagir durante conflitos

A reação mais comum que temos durante um conflito é deixar a explosão emocional dominar a atmosfera, sendo a raiva uma das emoções mais presentes nesse tipo de situação.

Para evitar reações descontroladas no ambiente de trabalho, procure manter a calma em momentos estressantes. Não fale e nem aja de forma impulsiva, optando sempre por deixar o calor do momento passar antes de tomar qualquer decisão.

Pessoas emocionalmente inteligentes têm clareza de que, durante um conflito, o foco deve ser a resolução e não deixar que a situação ganhe proporções ainda maiores.

7. Utilize habilidades de escuta ativa

Durante as conversas no trabalho, procure sempre ouvir com atenção antes de responder. É importante compreender o que o outro está dizendo antes de colocar a sua opinião.

Além disso, procure prestar atenção aos detalhes não verbais, pois eles podem ter significados muito importantes. Uma pessoa com a inteligência emocional bem desenvolvida sempre ouve o outro adequadamente e demonstra respeito com quem está falando.

8. Aprenda a receber críticas

Um dos pontos importantes para quem deseja aumentar os níveis de inteligência emocional é ser capaz de receber críticas.

É importante não levar para o lado pessoal, se sentir ofendido ou se colocar em uma posição defensiva. Tire alguns momentos para entender de onde vem a crítica, como ela está afetando as outras pessoas e a você mesmo e como é possível resolver os problemas de forma construtiva.

Como desenvolver a inteligência emocional?

Como já falamos anteriormente, quem tem baixos níveis de inteligência emocional pode desenvolver essa habilidade ao longo da vida.

Existem várias formas de se fazer isso. A seguir, você poderá conferir algumas delas!

1. Yoga e meditação

Para focar no presente e em sua respiração, considere praticar Yoga e fazer meditação regularmente. Os benefícios aparecem no longo prazo, mas vale bastante a pena para quem busca um momento de introspecção.

Ambas as práticas promovem o autoconhecimento e ajudam no controle de pensamentos negativos, reconhecimento e controle das emoções. Como tanto o Yoga como a meditação exigem bastante treino, pode ser também um ótimo exercício para treinar a automotivação – em alguns momentos você pode pensar em desistir, mas ao persistir já estará trabalhando a inteligência emocional.

2. Testes de personalidade

Uma forma prática e interessante de começar a desenvolver a sua inteligência emocional é por meio dos testes de personalidade.

Existem vários formatos que podem ser úteis para esse primeiro mergulho de autoconhecimento, afinal, a inteligência emocional está muito relacionada ao seu nível de conhecimento sobre si mesmo.

Lembre-se, no entanto, de que somente os testes não devem ser o suficiente. É preciso complementar com outras práticas para tornar o desenvolvimento ainda mais profundo.

3. Psicoterapia

A psicoterapia é excelente para o desenvolvimento da inteligência emocional. Ao longo das sessões junto do psicólogo, você viverá uma experiência de autoconhecimento profundo.

Além disso, você também irá, aos poucos, entender os gatilhos de suas emoções, aprendendo a reconhecê-las e controlá-las. A psicoterapia também é muito relevante para quem deseja desenvolver outros pilares da inteligência emocional, como a empatia e as habilidades interpessoais.

O processo é de longo prazo, mas proporciona resultados importantes.

Ofereça a psicoterapia como um benefício corporativo

Empresas que se preocupam com o bem-estar de seus colaboradores investem em saúde mental.

Sabia que já é possível oferecer a psicoterapia como um benefício corporativo? Dessa forma, a organização está também contribuindo para o desenvolvimento da inteligência emocional de seus funcionários.

E colaboradores com altos níveis de inteligência emocional têm uma performance muito melhor!

Se você ficou interessado em saber como implementar essa estratégia na sua empresa, entre em contato com o Vittude Corporate, um benefício corporativo que ajuda empresas a cuidarem da saúde mental dos seus colaboradores!

Este post ajudou você? Então, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de mais conteúdos bacanas e novidades!

Leia também:

Equilíbrio emocional como promotor de mudanças na sua empresa

Como cultivar o equilíbrio emocional no trabalho?

Por Bruna Cosenza

Este post ajudou você? Então, aproveite para seguir a Vittude no Instagram e assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de mais conteúdos bacanas e novidades!
Avalie Este artigo
ambiente saudável auto conhecimento emoções empatia estresse inteligência emocional meditação psicoterapia

Leia também

Receba novidades da Vittude